Topo

Demissão de 1,2 mil professores é processo chave e positivo para a Estácio, diz Itaú BBA

Segundo o Itaú BBA, esta iniciativa está em consonância com a estratégia que a empresa vem apresentando no mercado com o objetivo de otimizar sua estrutura de custos 

SÃO PAULO - Uma decisão da Estácio (ESTC3), confirmada na noite de ontem, gerou polêmica e muita repercussão. Cerca de um mês após a entrada em vigor das novas regras trabalhistas, a Estácio comunicou nesta terça-feira a demissão de 1.200 professores. Atualmente, a instituição possui hoje cerca de 10 mil docentes. O mesmo número de professores será contratado em janeiro para substituir aqueles despedidos.

 

Segundo o Itaú BBA, esta iniciativa está em consonância com a estratégia que a empresa vem apresentando no mercado com o objetivo de otimizar sua estrutura de custos e, como a empresa tem atualmente 10 mil professores, esta é uma etapa relevante. 

 
"Devemos ter em mente que este processo, embora positivo e chave para apoiar a expansão da margem para o futuro, provavelmente implicará uma despesa não-recorrente nos resultados do quarto trimestre de 2017", apontam os analistas.

Segundo a nota da assessoria de imprensa da Estácio, "todos os profissionais que vierem a integrar o quadro da Estácio serão contratados pelo regime CLT, conforme é padrão no grupo". De acordo com a companhia, a reorganização tem como objetivo manter a sustentabilidade da instituição e foi realizada dentro dos princípios do órgão regulatório.  

Contudo, há algumas questões polêmicas que estão no radar. À Folha de S. Paulo, um professor demitido na disse que a demissão em massa não havia sido sinalizada e surpreendeu. De acordo com ele, existia uma desconfiança por parte dos professores quando a reforma trabalhista entrou em vigor, mas não se esperava que aconteceria com tamanha dimensão e tão cedo.

Além disso, questionada pela reportagem, a Estácio  não informou que critérios usará para selecionar o novos professores que cobrirão o rombo. A nova CLT determina um intervalo de 18 meses para que os mesmos profissionais sejam recontratados pelo regime intermitente. Em nota, a empresa disse apenas que lançou "um cadastro reserva de docentes para atender possíveis demandas nos próximos semestres, de acordo com as evoluções curriculares". 

Especiais InfoMoney

Tags:

FENECON - Federação Nacional dos Economistas  
SCS Ed. Anhanguera, Quadra 02 - Conj 717 / 718 - Brasília - DF  |  Cep : 70.315-900
Telefone: (61) 3225-0690 Telefax: (61) 3224-7381 | atendimento: de 13 às 19 horas | fenecon@fenecon.org.br